MÉDICO GAÚCHO AFIRMA “DESCOBRIMOS A CURA”: “EM 48 HORAS REVERTEMOS E ELIMINAMOS O VIRUS”

O médico Luiz Cristiano Maciel Cardoso, que atende seus pacientes em São Gabriel no Rio Grande do Sul, anunciou na sua rede social que, com a medicação que aplicou até aqui,  “encontramos a cura, a Covid-19 está conquistada, está vencida. A Covid-19 como nós conhecemos acabou. Ela vai voltar para onde ela veio. Entre nós ela não tem mais guarida”.

Hoje, para mim, a Covid-19 é uma amigdalite. A medicação é fantástica, uma reviravolta assombrosa dos casos.

Segundo ele,”a medicação que começamos a usar é impressionante: os pacientes que estavam indo para o tubo, todos recuperados. Agora só nos falta preparar a logística para distribuição desta medicação. Ela só pode ser usada com receituário médico, e com acompanhamento médico. Estre tratamento não pode ser feito por conta própria.

Segundo ele, 300 pacientes receberam a medicação experimental, e 300 a medicação tradicional. O resultado foi assombroso: dos 300 com o tratamento tradicional, perto de 150 morreram. Do grupo de 300 que receberam a medicação experimental, apenas 12 pacientes morreram. “A diferença é assombrosa, eu nunca tinha visto algo assim desde que começamos a batalha contra o Covid-19. A noticia ruim é que essa medicação não existe no Brasil.”
A partir daí, segundo o médico, ele começou a buscar uma saída, já que questões comerciais começaram a dificultar o uso de medicações similares. As duas medicações são de um grupo de bloqueadores de segunda geração. Ele explica que uma pesquisa levou a uma medicação alternativa que ele passou a utilizar, “com surpresa positiva e resultados impressionantes”.
Maciel encontrou um similar nacional, “e a impressão que causa uma reviravolta assombrosa nos casos de Covid-19”.
“Esta medicação não tem patente, ela é manipulada, e custa R$ 1,70 o comprimido. Com 40 reais em manipulação e 150 reais em farmácia comum, as pessoas têm condições de receber o tratamento para esta doença gravíssima. Acabou”, afirma o médico.

Esperamos que essa notícia seja comprovada brevemente…

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.