Estados vão ignorar ministério da saúde e vacinar crianças mesmo sem permissão, disse Lula

Apesar de o ministro da Saúde ter dito na 5ª feira (23.dez) que exigirá prescrição médica para que as vacinas contra a covid sejam aplicadas em crianças de 5 a 11 anos, os secretários estaduais de Saúde, em conjunto, decidiram nesta 6ª feira (24.dez.2021) que não exigirão o documento na aplicação do imunizante. O Poder360 apurou que a ideia é “simplesmente ignorar” o ministério e não fazer a exigência, que consideram absurda, no momento da aplicação. A decisão é tomar a providência “por conta e risco “. O argumento usado é de que essa prescrição nunca é exigida para outras doenças como sarampo e poliomielite, e que não haveria nenhuma razão para que, na vacina contra a covid, o documento fosse obrigatório.

O Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde) divulgou nesta 6ª (24.dez) uma “Carta às crianças do Brasil” em que confirma que não haverá exigência de prescrição médica para que a vacina contra a covid seja administrada. O trecho em que há contrariação à exigência proposta pelo ministro Marcelo Queiroga diz que “quando iniciarmos a vacinação de nossas crianças, avisem aos papais e às mamães: não será necessário nenhum documento de médico recomendando que tomem a vacina. A ciência vencerá. A fraternidade vencerá. A medicina vencerá e vocês estarão protegidos, confirmou o presidente do Conass, Carlos Lula.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.