Estado de MG ganha a primeira fábrica de nanomateriais de nióbio do mundo

“O nióbio é um metal de transição, que tem propriedades interessantes. Na área industrial, ele é usado em ligas refratárias que aguentam temperaturas muito altas. Além disso, misturado ao aço garante mais força e resistência, explica o professor Leandro Tessler, do Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O nióbio é usado como elemento de liga em aços e em aplicações como turbina de avião, implantes ortopédicos, marca-passos, aparelhos de ressonância magnética, baterias de carros elétricos e até viadutos. E o Brasil tem uma das maiores reservas do mundo.

O que é o nióbio?
Apesar de descoberto em 1801, apenas em 1949 foi reconhecido como elemento químico.

Os estados de Minas Gerais (cidades de Araxá e Tapira), Amazonas (São Gabriel da Cachoeira e Presidente Figueiredo) e Goiás (Catalão e Ouvidor)concentram as maiores reservas no país. Porém, a exploração ocorre em Araxá e Goiás.

Só em Araxá há ao menos 842 milhões de toneladas disponíveis do nióbio.

Como é utilizado de aditivo na produção do aço, o material possui alguma concorrência, como o molibdênio e vanádio, ambos com propriedades semelhantes.

Valor do nióbio
O preço do nióbio está entre US$ 40 e US$ 50 o quilograma. Para comparar, 1 quilo de ouro custa, em média, US$ 41,8 mil. Ou seja, mil vezes mais.

“Aumentar o preço do nióbio no Brasil pode provocar a entrada de outros países no mercado. Hoje, no Brasil, 90% do nióbio é para a produção de aço de alta qualidade. Para novas aplicações, o desejável é investir em pesquisa”, avalia o professor da Unicamp.

O Brasil é líder na exportação do metal. O país concentra 98,2% das reservas. Em Araxá, a maior jazida é operada pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), empresa controlada pela família Moreira Salles, uma das acionistas do banco Itaú.

O presidente e o nióbio
Bolsonaro é hoje o maior entusiasta da multifuncionalidade do nióbio. Na sua transmissão no Facebook dessa semana, o presidente exibiu no vídeo um cordão azul comprado no Japão para exemplificar a utilidade do metal. E destacou que custou caro, mostrando a nota fiscal.

Para ele, o fato de estar no Brasil a maior reserva do metal do mundo e o fato das peças vendidas lá fora custarem acima do ouro são um potencial e poderiam ajudar na economia do país.

Joias de nióbio
O professor da Unicamp explica o porquê de sua aplicação na fabricação de bijuterias, como as mostradas por Bolsonaro.

“O nióbio produz óxidos com cores diferentes, como azul, violeta, amarelo e verde. Por isso, essa probabilidade de ser usada em bijuterias”.

Impacto ambiental
Há reservas ainda não exploradas localizadas no Amazonas, localizadas em São Gabriel da Cachoeira e Presidente Figueiredo.

Como toda exploração mineral, há possibilidade de desmatamento e desequilíbrio ecológico com a criação de novas minas.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.