Em entrevista, Barroso ameaça suspensão do Telegram

‘Penso que uma plataforma, qualquer que seja, que não queira se submeter às leis brasileiras deva ser simplesmente suspensa’, disse ele

Em entrevista ao jornal O Globo, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, voltou a falar a respeito de uma possível suspensão do Telegram no Brasil.

– Eu penso que uma plataforma, qualquer que seja, que não queira se submeter às leis brasileiras deva ser simplesmente suspensa – disse Barroso.

No início do mês, em entrevista ao Estadão, ele chegou a afirmar que não gosta da ideia de banir uma plataforma, contudo, o aplicativo tem ignorado tentativas de diálogo feitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que busca um trabalho em conjunto no combate à desinformação durante as eleições de 2022

Outras redes sociais, como Facebook, WhatsApp e TikTok já fizeram parceria com o TSE nas eleições municipais passadas, em 2020, com o objetivo de conter redes de desinformação. Portanto, a recusa do Telegram de cooperar com a Justiça brasileira pode acabar causando sua suspensão no país.

– Nenhum ator relevante no processo eleitoral pode atuar no país sem que esteja sujeito à legislação e a determinações da Justiça brasileira – declarou Barroso.

Para ele, o Brasil “não é casa da sogra” e não deve suportar um aplicativo que seja sede para ataques à democracia, ou faça apologia ao nazismo, ao terrorismo e possibilite a venda de armas.

Barroso ocupa o posto de presidente do Tribunal Superior Eleitoral até dia 22 de fevereiro, quando deve passar o cargo para o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.